Agradecemos sua visita e informamos que estamos inativos por tempo indeterminado.

Acesse nossos arquivos no menu ou nos links laterais.

















terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Retrospectiva 2009

Artista 2009 : Pedro Ivo

Pedro Ivo foi a escolha como Artista do Ano pelo Blog. Essa escolha deveu-se a um conjunto de fatores: por um lado, Pedro expôs bastante na cidade no ano de 2009 (Novas Referências, Prêmio Iate Clube de Brasília, Salão Universitário- Prêmio Espaço Piloto, 2ª Bienal de Arte de Brasília). Por outro, a qualidade e engenhosidade de sua produção pictórica, soturna e sépia, aliada a um vigor e intensa e diversificada produção chamou bastante nossa atenção nesse ano. Ademais, Pedro parece-nos um bom representante de um grupo consideravelmente amplo dentre a recente produção local: os jovens pintores figurativos (a se saber, Fábio Baroli, Moisés Crivelaro, Camila Soato, Clarice Gonçalves, Taigo Meireles, Alice Lara e André Mota, dentre outros).

Confira algumas obras de Pedro Ivo

Leia a entrevista do DNB com Pedro Ivo (EM BREVE)


Grupo ou Coletivo de Artistas 2009 : Grupo Empreza

Durante 2009 Grupo Empreza teve um grande desempenho e destaque nacional, sendo um dos únicos representantes do Centro-oeste no Programa Rumos do Itaú Cultural. O grupo foi premiado em diversas mostras de cinema e vídeo - 9º Goiânia Mostra Curtas, 3º Festival Perro Loco e no V Festcine Goiânia. O êxito em investir na realização de vídeos e animações autorais buscando alargar sua atuação presencial nos eventos foi reforçado pela entrada de João Angelini (que também foi premiado no Anima Mundi deste ano). Além de participar da segunda edição do MIP – Manifestação Internacional de Performance em BH e no 8#ART em Brasília, o grupo mantém a mesma empolgação e disponibilidade para participar de eventos independentes, apresentarem performances na rua e em espaços onde são convidados por onde passam (como na galeria Durex no RJ em dezembro).




Exposição nacional ou internacional 2009 : Virada Russa

Mesmo que 2009 tenha sido o ano da França no Brasil, quem levou a melhor foram os russos com a exposição Virada Russa - A vanguarda na coleção do museu estatal russo de São Petersburgo. Trazendo ao público 123 obras dos maiores nomes da vanguarda russa ao Brasil –Vladimir Tatlin, Wassily Kandinsky e Kazimir Maliévitch – as obras em ótimo estado de conservação, permitiu ao público prestigiar ao vivo os nomes famosos da história da arte e conhecer outros artistas, como Pavel Filonov. Mas o ponto forte da exposição foi o núcleo destinado a Maliévitch, com a obra Quadrado Negro sobre fundo branco de 1914.


Exposição de artista ou grupo local 2009 : Justaposição Polar

A exposição “Justaposição Polar” de Elder Rocha trouxe os trabalhos mais recentes do artista goiano, radicado em Brasília e professor do Departamento de Artes Visuais da Universidade de Brasília. Entre julho e agosto de 2009 o CCBB-Brasília apresentou pinturas, com a curadoria de Cristiana Tejo. A apropriação, que sempre fez parte da poética de Elder Rocha, faziam o espectador, a um primeiro olhar desatento, pensar que estava diante de grandes e misteriosas ilustrações. No entanto este imaginário de gravuras, camadas e manchas era (e é) pintura. A obra Mar Torto, um site specific surpreendente, era dividida em duas partes, a primeira na entrada do espaço e a segunda ao fundo da galeria. Sendo assim a instalação “invadia” as outras obras propositalmente; era a contemplação do inexplicável.



Espaço 2009: MAB

O MAB, Museu de Arte de Brasília, foi fundado em 1985. Seu acervo foi formado a partir de diversas fontes: na data de sua fundação, a instituição já possuía um acervo de grande relevância, que conseguiu através da Secretaria de Cultura, além de seus salões, responsáveis por algumas das obras mais relevantes do acervo. Embora tenha tido uma importância histórica no desenvolvimento das artes visuais em Brasília no fim da década de 1980, consecutivos governos abandonaram o espaço, e nos anos 2000 ele viveu sua derrocada.
Em 2007, sob a gestão de Glênio Lima e Bené Fontelles, teve início um processo de revitalização do espaço que incluía o MAB Móbil, um conjunto de mostras do acervo para dar visibilidade ao Museu, como exposições na 508 Sul, na CAL (Casa da Cultura da América Latina) e no Museu Nacional do Conjunto Cultural da República. Outra vitória da gestão foi a doação do Ateliê de Rubem Valentim, a ser catalogado e transformado em exposição permanente pela instituição; na mesma ocasião foi criada uma comissão para estudar a reativação do grupo Amigos do MAB, além da exposição Invasão Legal, que reuniu diversas gerações em uma exposição que propunha uma retomada do espaço pela comunidade artística. A exposição, no entanto, foi ameaçada pela precariedade do espaço físico, e antes do término da mostra, o MAB foi interditado.
Com a sugestão de realocar temporariamente o acervo para o Museu Nacional (o prazo inicial para o transporte das obras era de 30 dias, mas prolongou-se por 3 meses), foi criada uma comissão para discutir o futuro do MAB. A comissão contava com os seguintes integrantes: Glênio Lima (diretor da instituição), Ana Frade (museóloga do Departamento do Patrimônio Histórico e Artístico – DEPHA), Ione Carvalho (museóloga e subsecretária de Políticas Culturais do GDF), Wagner Barja (diretor do Museu Nacional do Conj. Cult. da República) e Omar Franco (artista plástico). Ao fim dos trabalhos, a comissão convocou uma audiência pública para divulgar a proposta de fusão do Museu de Arte de Brasília com o Museu Nacional em uma única instituição com duas cedes, doravante denominada Museu Nacional de Arte de Brasília. O acervo permaneceria no Museu Nacional, e a sede do lago sul (antigo MAB) tornaria-se um espaço para restauro, residências artísticas, cursos de formação e exposições locai . A proposta provocou polêmica, mas o projeto de revitalização arquitetônica e urbanística do MAB foram bem vistos. Uma nova audiência foi organizada pela deputada distrital Érika Kokay, e o resultado do debate foi contrário a fusão dos Museus.
O projeto de revitalização do MAB conta com verba do Ibram, destinada a preservação de sua arquitetura moderna, aquisição de mobiliário museológico e equipamentos e prevê a construção de um café e instalação de elevador para deficientes. O IPHAN incluiu o MAB no plano de tombamento. Embora atualmente fechado, o MAB tem sido uma dos espaços mais preocupados em dar visibilidade a seu acervo (rivalizando, talvez, nesse quesito apenas com o Conjunto Cultural da Caixa) e a polêmica que sua possível fusão com o Museu Nacional do Conjunto Cultural da República gerou trouxe a tona uma importante discussão patrimonial e cultural para a cidade.


Clique aqui para a cobertura do blog acerca do MAB durante o ano de 2009


Arte-Educação e Programas Educativos 2009: Circuito Educativo BrasiliAthos – Na Trilha dos Azulejos

Após esforço merecido, a Tríade Patrimônio, Turismo e Cultura foi agraciada em 2009 com o Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade na categoria Educação Patrimonial pelo projeto Circuito Educativo BrasiliAthos – Na Trilha do Azulejos. Este, que consiste em um belo casamento entre educação patrimonial e arte educação, levou a várias escolas públicas de todas as regiões administrativas do Distrito Federal, uma verdadeira imersão à história de Brasília e a vida e obra de Athos Bulcão, além de exemplificar de forma prática conceitos como patrimônio, conservação e tombamento. O projeto conta com a atuação de mediadores previamente treinados, possibilitando o desenvolvimento de trabalho contínuo e construtivo junto a crianças entre nove e onze anos. O prêmio recebido homenageia em seu nome o primeiro diretor do Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional e tem como objetivo reconhecer ações de preservação e divulgação do patrimônio cultural brasileiro. O resultado de uma ação tão inovadora para Brasília pode ser conferido no blog criado pela Tríade que contém relatos e imagens deste projeto que com certeza merece muito mais apoio para continuar seu belo trabalho.

http://www.natrilhadosazulejos.blogspot.com/





Ciclo de Palestras, Oficina ou Eventos 2009 : 24 Horas de Desenho

Desenvolvido pelo aluno e monitor de desenho, Helder Spaniol, o curso ofereceu a seus participantes um diferenciado leque de atividades relacionadas a um único tema: o desenho. Recheado de diversos tipos de exercícios que visavam explorar a expressão, a criação e o olhar, o curso ainda contou com a participação de professores, escritores e artistas plásticos para debater o tema da edição do segundo semestre de 2009 que foi Fábulas. Apesar da falta de apoio do Departamento de Artes Visuais para o eventos, 24 Horas de Desenho se firma como um evento fixo nos calendários da UnB e os alunos envolvidos se tornam cada vez mais habilitados para desenvolverem atividades que buscam a prática, a contextualização e a reflexão sobre o que foi produzido.

Ciclo de Palestras, Oficina ou eventos 2009 : Ciclo de Palestras Latitudes

A exposição Latitudes: mestres latino-americanos na Coleção FEMSA ocupou parte da galeria térreo do Museu Nacional do Conjunto Cultural da República entre os dia 24 de abril e 14 de junho de 2009. A exposição, com a presença de importantes artistas latino americanos , David Siqueiros, Diego Rivera, Frida Kahlo, José Orozco e outros, configurou um dos pontos altos da programação cultural da cidade em 2009 e ocorrendo, simultânea a mostra Virada Russa no CCBB, uma proximidade que, sem dúvida alguma, beneficiou ambas as mostras. Conjuntamente com o evento, o programa educativo, em pareceria com o próprio museu, organizou uma série de palestras e debates que abrangeram não apenas a mostra, mas a produção de arte na América Latinas (ou na Latino-américa, como tantas vezes se repetiu, em um esforço de produzir uma torção lingüística que nos obriga a assumir nossa própria posição de alteridade íntimas frente à América hispânica) ao longo do modernismo e contemporaneidade. O resultado foi um rico e fortuito diálogo que contou com a participação de Vicente Martinez, Nelson Maravalhas, Maciej Babinski e Pedro Alvim, além de preciosos apontamentos de Vera Pugliesi,organizadora do ciclo e responsável pela ação educativa. Acreditamos, assim, que a iniciativa atende a uma vocação da mostra de tornar-se um espaço para a reflexão, diálogo e formação.

Publicação 2009 : Revista Objeto


Brasília é extremamente carente em publicações em artes visuais, não deixando muitas opções que sejam dedicadas especificamente a esta área. Deste modo, uma boa surpresa é a Revista Objeto da Galeria Objeto Encontrado realizada em parceria com o Fole Coletivo . O conteúdo é variado, inclui ilustrações, contos, quadrinhos, entrevistas e matérias curtas sobre artes visuais, música, teatro e cinema. Seu formato é rápido e inteligente e conta com uma apresentação bastante sedutora, medindo aproximadamente 11 x 15 cm a revista pode ser completamente aberta transformando-se em um pôster de cerca de 60 x 40 cm.

Controvérsia 2009: Igrejinha Nossa Senhora de Fátima
Um dos temas mais controversos deste ano (ou o que maior cobertura ganhou nos meios de divulgação formais e informais) foi a pintura dos murais da Igreja Nossa Senhora de Fátima. A confusão é bastante complexa, e só o é porque a igrejinha, como foi simpáticamente batizada pelos moradores da cidade, reúne três diferentes congregações sob um mesmo teto: aqueles que a vêem como um templo religioso, aqueles que a vem como um patrimônio histórico e aqueles que a vêm como um registro do itinerário estético moderno. Na verdade a igrejinha é os três; Com projeto de Oscar Niemeyer, azulejos de Athos Bulcão e pintura interna de Alfredo Volpi, é inegável o valor estético da construção. Mas as imagens do menino Jesus e Maria produzidas por Volpi, que foram lixadas e encobertas (iconoclastia?), de forma que o Iphan determinou impossível restaurar as pinturas a seu estado original. Reproduzir a imagem á partir dos registros fotográficos foi brevemente cogitado, mas logo a opção foi abandonada, pois seria apenas um simulacro da obra original. A opção, então, foi convidar um artista que, segundo o responsável pela obra, seria capaz de resgatar a "ambiência que a obra de Volpi produzia na igreja". O artista escolhido foi Galeno, artista plástico nascido no Piauí e radicado em Brasília que reside e produz em Brazlândia, por possuir "técnica, cromatismo e elementos de pintura e grafismo semelhantes aos de Volpi". Desde o início do processo, os paroquianos demonstraram ressalvas frente às propostas apresentadas e com o início das obras a tensão aumentou, e um grupo de fiéis chegou a realizar um abaixo assinado pedindo a interrupção imediata dos trabalhos. A igreja católica preferiu não se manifestar sobre o assunto, mas vários políticos da cidade não se valeram da mesma isenção e partiram para uma investida junto ao Iphan na tentativa de negociar a suspensão da obra. No dia 27 de julho de 2009, um grupo de pessoas favoráveis a obra de Galeno se reuniram em ato público na frente da igrejinha.
A obra foi danificada mais de uma vez durante o processo de produção, e os paroquianos chegaram a celebrar a missa fora da igreja em demonstração de repulsa à obra. Certamente os ânimos se exaltaram e esse episódio deve entrar para a história cultural da cidade.
Controvérsia 2009: FOTOARTE 2009
O FotoArte é um evento dedicado a fotografia organizado pelo Espaço Cultural Contemporâneo e gerido pela empresa Arte 21, que, aos poucos, vem ganhando alguma credibilidade e destaque nacional. Não é, no entanto, incomum que haja, entre os artistas locais, algumas ressalvas sobre o evento; mas nenhuma ganhou tanto destaque como a carta aberta enviada por Patricia Gouvêa a produção, aos jurados, a alguns dos artistas participantes da mostra, ao Canal Contemporâneo, postada no Facebook, e que logo circulou de forma avassaladora por grupos de e-mais e contatos informais entre artistas e fotógrafos de todo o país. Na carta, a participante premiada abdicava publicamente de seu prêmio (e portanto, revogava o direito de divulgação de sua obra) em função de duas cláusulas contratuais:
Foram inúmeras as minhas tentativas, desde a última segunda-feira e as do júri para que a Sra. Karla Osório concordasse em redigir o termo de cessão de direitos de imagem, onde foram incluídas 2 cláusulas que não constavam do regulamento, cujo teor fere os direitos autorais dos fotógrafos, constituindo, portanto, ato irregular e que apenas beneficia as empresas controladas direta ou indiretamente pela ARTE 21:
4. A CESSIONÁRIA fica expressamente autorizada pelo CEDENTE a executar livremente a montagem das fotografias objeto deste contrato, podendo proceder aos cortes, às fixações e às reproduções necessárias.
6. A CESSIONÁRIA poderá ceder os direitos sobre a(s) fotografia(s) e/ou a conceder autorização de utilização a quaisquer empresas sob seu controle direto ou indireto, bem como a entidade sem fins lucrativos, especificamente à WWF Brasil, sem obrigação de efetuar qualquer pagamento ao CEDENTE./ A primeira é preocupante pois autoriza cortes na imagem, mas a segunda é ainda mais grave: por meio dela as imagens poderão ser usadas por outras empresas sob controle da ARTE 21 e outras ONGs!!!!”
Frente ao que a artista entendeu como uma “uma atitude inflexível” por parte da organizador do evento e, não tendo suas reinvindicações consideradas, não viu outra opção senão denunciar o que acreditava ser graves irregularidades e nefastos precedentes impostos pelo evento . A reação foi grande e, por fim, as cláusulas foram alteradas, mas a credibilidade do evento foi posta a prova

Nonsense 2009: #8 ART

A exposição do 8o Encontro Internacional de Arte e Tecnologia ocorreu no Museu da República em outubro e reuniu propostas diversas que, em sua maioria, aliavam mídias tecnológicas ao desenvolvimento de uma poética própria. Embora seja um evento de largo alcance que reúne sempre nomes importantes dessa prática artística, a abertura da exposição nos pareceu um tanto dispersa. Ainda no início, alguns dos trabalhos que solicitavam a interação do público encontravam-se desligados ou com problemas de funcionamento. Entre os convidados que participaram do evento estava o Grupo Empreza que, além dos vídeos e da apresentação performática, realizou também uma homenagem (ou protesto?) ao incêndio do acervo de Hélio Oiticica na área externa ao museu. Outro convidado foi o Grupo Cultural Batunkejé que tocou durante a abertura do evento. Apesar de admirarmos a efetividade das realizações propostas pela linha de arte e tecnologia, a sensação geral que tivemos ao sair do evento foi de certa confusão e falta de foco em relação ao que vem se pensando e produzindo em poéticas tecnológicas.

Nonsense 2009: Exposição JK
Bancada pelo governo do Distrito Federal, a mega-exposição realizada na área externa no Complexo Cultural da República em homenagem ao presidente Juscelino Kubistchek chamou atenção de todos que passavam pelo eixo monumental, mas não pela sua beleza e sim pela barulheira. O túnel no qual ficava a exposição estava mais para festa rave do que homenagem a JK, o visitante ao entrar se deparava logo de inicio com altas batidas de música eletrônica, pouquíssimo conteúdo e um lounge para descanso, afinal depois dessa overdose de informações todos merecemos descanso até Juscelino.

Não foi dessa vez... nossas expectativas para o futuro: Espaço Piloto - 2010

O Espaço Piloto, espaço expositivo em melhores condições da Universidade de Brasília, teve um ano de pouco sucesso. Após cumprir o que restou da pauta de 2008 em sua primeira exposição no ano de 2009, a galeria ofereceu ao público universitário um pequeno número de mostras e ficou fechada por um longo período sob a justificativa de reforma. Com a abertura da exposição do I Salão Universitário – Prêmio Espaço Piloto de Arte Contemporânea, o espaço foi reaberto com as mesmas paredes empenadas, um grande vidro quebrado em sua fachada e com algumas tomadas a mais. A iniciativa do Prêmio deve ser incentivada desde que seja levada a sério do início ao fim, visto que os próprios artistas tiveram que se preocupar com a iluminação de suas obras ou furos em paredes, já que não havia profissional para tal. Aguardamos que a galeria ofereça uma boa programação para 2010 tendo em vista a convocatória que está aberta para preencher a pauta deste ano. Acreditamos que é necessário um tempo para que um espaço expositivo se estabeleça e propicie ao menos regularidade em sua programação e por isso torcemos para que em 2010 o Espaço Piloto crie uma identidade para seus eventos, proporcione a comunidade uma visão mais ampla dos vários segmentos que estão envolvidos em uma exposição de arte e cative visibilidade, ao menos, dentro da própria universidade.


Convocatória do Espaço Piloto


Não foi dessa vez... nossas expectativas para o futuro: IX Prêmio Iate Clube de Brasília.
O prêmio do Iate Clube segue desde 1996 como um dos poucos salões da Brasília, e, ainda mais recentemente, como o único um salão dedicado a arte contemporânea nacional da cidade (ocupando, assim, o vácuo dos extintos salões de arte do Museu de Arte de Brasília). Em sua VIII edição, pudemos ver uma grande variedade de técnicas e suportes, com propostas bastante distintas entre si, mas não podemos dizer o mesmo da IX edição do evento. Com poucas surpresas ou riscos dentre as obras selecionadas, a mostra foi bastante prejudicada pela alteração em seu calendário; Se, por um lado, vários artistas possam ter se beneficiado da longa prorrogação do período de inscrições, muitos foram prejudicados com os curtos períodos referentes à realização das demais etapas (havendo inclusive desistência entre alguns dos participantes selecionados em função dessa alteração). As opções curatoriais, por vezes questionáveis, proporcionaram um salão irregular (em alguns momentos até mesmo enfadonho). Por fim, a produção do “catálogo”, embora ofereça um registro das obras expostas (as fotos aparentam terem sido obtidas dos próprios projetos inscritos, o que implica em uma variação de qualidades de imagens), dificilmente se presta a um registro do evento como um todo. Temos esperanças de que em sua 10ª edição o salão alcance a relevância e excelência que dele se espera.

7 comentários:

André disse...

Ótima restropectiva!

georthof disse...

ah..... também teve "moradas do íntimo". eu gostei muito!

Matias Monteiro disse...

é que o moradas do íntimo vai entrar em 2010 como exposição nacional e 2011 como internacional =P

Marília Panitz disse...

Super boa , a retrospectiva! Parabens, los bois! Sugiro uma olhada no que foi feito fora do circuito institucional... Beijos!
PS. Essa "coisa aí embaixo é performance?

João Angelini disse...

Parabéns pela retrospectiva e pela revista em geral. É muito bom ver uma iniciativa assim começar a acontecer com qualidade e densidade.

Parabéns por iniciaram uma publicação fora do circuito institucional que tenha aprofundamento de questões, reflexões e, principalmente, continuidade.

E temos mesmos que ficar atentos a falta de eventos fora do circuito institucional aqui em BsB. Mas se o DNB, essa publicação não institucional que pra mim é a maior "coisa" não institucional que aconteceu nesse ano em BsB, não registrou eventos independentes, talvez seja pela falta desse tipo de manifestação em BsB. Aqui é complicado, na capital do Brasil tudo parece ser instituição, até a rua é instituição!!

Mesmo que a cidade não fosse, nós somos uma geração muito comprometida e dependente de oficializações das instituições, vide que todos os "artistas" tem "diploma de artista". Não temos coragem pra nos movimentar, gastar energia se não for pra ser institucional. Nós somos os responsáveis pela não existência de movimentações mais independentes.

Mas de certa maneira, o DNB é uma referencia de manifestação não institucional e salvou 2009! E esse blog tem sido acompanhado e comentado muito pela nossa "classe" (haeheahaeh). Espero que sirva de exemplo e estímulos pra outras iniciativas e que com essa popularização, o DNB não deixe de ser independente.

luciana paiva disse...

ei gente, muito obrigada pelos comentários de todos vcs! ficamos muito felizes em saber que estão acompanhando o blog e mais ainda em poder contar com a sugestão e colaboração de vcs!!

obrigada joão, por incluir o DNB na lista, heheh. :)

quanto à retrospectiva, temos várias limitações e, além disso, nosso intuito foi apenas pontuar algumas das coisas que aconteceram aqui em 2009 das quais observamos e pudemos participar. nossas escolhas não são imparciais... mas já estamos mais atentos a partir de agora!

abraços.

Laurem disse...

gostaria de acrescentar a categoria "vergonha academico-instuticional-artistica", mas fica pra proxima...

e parabens pelo blog, voces sao demais (hehe).